Top Menu

Mulheres da tecnologia que você precisa conhecer

O que a filha britânica de um famoso poeta e uma mãe estudiosa de exatas, uma matemática afro-americana que trabalhou para a NASA e uma jovem brasileira têm em comum? Além de serem mulheres, claro, as três dividem uma mesma paixão: a tecnologia.

No Dia Internacional da Mulher, a Admatic criou um post especial com alguns nomes da área de tecnologia que você precisa conhecer. Confira:

Ada Lovelace

Ada teve influência do pai, o poeta britânico Lord Byron em seu gosto pela escrita e pela poesia, mas foi a influência da mãe, Anne Isabella Milbanke (Annabella), uma grande estudiosa em matemática que mais pesou em sua educação. Como desejava distanciar a filha da carreira poética do pai, Anabella incentivou que Ada seguisse o caminho das ciências exatas desde muito jovem, uma educação um tanto incomum para as mulheres da época.

Mais tarde, Ada começou a traduzir trabalhos de seu amigo e mentor Charles Babbage, um matemático que inventou o primeiro computador genérico do mundo, o Analytic Machine.

No entanto, Ada percebeu que a máquina de Babbage poderia ir muito além dos registros deixados pelo autor e inseriu anotações com seus próprios insights e percepções, incluindo a criação de um algoritmo que permitia que a máquina computasse números complexos. Com isso, ela criou o primeiro programa de computador do mundo, sendo a primeira programadora da história.

A “feiticeira dos números”, como foi apelidada por Babbage, ganhou uma data para incentivar a participação das mulheres na ciência em 2009, o AdaLovelace Day que é comemorado desde então no dia 15 de outubro.

Annie Easley

Nascida em 1933, a afro-americana Annie Easley foi uma engenheira da computação e matemática que desenvolveu códigos e programas de computador utilizados para estudar efeitos das fontes de energia renováveis, como energia solar e eólica.

Annie estudou para se tornar farmacêutica na African-American Roman Catholic University, mas certo dia, lendo a história das irmãs gêmeas que trabalhavam no Comitê Consultivo Nacional para a Aeronática (NACA), antecessor da NASA, no Centro de Pesquisa Lewis, em Cleverland (EUA), achou o trabalho tão interessante que resolveu se candidatar para trabalhar lá.

Annie começou a trabalhar na Divisão de Serviços de Informática, realizando cálculos matemáticos complexos para a equipe de engenharia. Sendo uma das 4 pessoas negras em um local com 2.500 funcionários, Annie simulou condições para o reator nuclear a ser construído em Plum Creek, Ohio.

Mais tarde, ela buscou melhorar sua qualificação trabalhando em sistemas de foguetes de propulsão nuclear na Nasa, incluindo o Centauro, um foguete de alta energia. Frequentemente era escolhida pela Nasa para representar a organização em visitas a escolas e faculdades.

Camila Fernandez Achutti

Formada em Ciência da Computação pela Universidade de São Paulo, a jovem brasileira Camila Fernandez Achutti foi premiada em 2015, quando tinha 23 anos, com o Student of Vision ABIE Award daquele ano. O título busca incentivar a participação feminina na tecnologia e premia estudantes inovadores com ideias tecnológicas que possam impactar o mundo.

Camila é dona do site Mulheres na Computação, projeto que lhe rendeu o prêmio, e embaixadora da competição Technovation Challenge no Brasil.

Além de receber uma premiação em dinheiro na ocasião, Camila recebeu uma bolsa para participar do evento Grace Hooper Celebration of Woman in Computing 2015, que leva o nome de outra gigante da tecnologia, sendo a primeira mulher a se formar PhD em matemática e criadora da programação Flow-matic, que foi base para a linguagem COBOL.

Mulheres da Admatic

As mulheres que vestem a camisa da tecnologia na Admatic.

E você? Conhece alguma mulher da tecnologia que te inspire? Compartilhe conosco!

Close