Top Menu

Como impulsionar seu e-commerce usando marketing de afiliados – Já pensou em ter uma rede de influenciadores indicando seus produtos para um público totalmente segmentado e pagar apenas quando houver conversão? Curtiu? Não é difícil, a gente te ajuda.

Marketing de Afiliados

Já ouviu falar em marketing de Afiliados? Funciona assim, o e-commerce paga para que blogs, sites, redes sociais e qualquer outro canal com grande número de acessos, insiram links em seus textos, banners – ou qualquer outro ponto da página – que direcionam para a loja online ou para páginas com produtos específicos.

A forma de parceria, geralmente, é feita por meio do Custo por  aquisição (CPA). Nesse caso o administrador do canal, site ou blog recebe uma comissão pela venda realizada. Mas também existem modelos que adotam Custo por clique (CPC) ou Custo por mil (CPM). A escolha da modalidade vai depender da estratégia do e-commerce como vender mais, gerar tráfego, exposição da marca, por exemplo.

Pois bem, para que sua loja virtual entre nesse mercado, será preciso contratar um plataforma que faça a gestão dessas campanhas, como a Criteo, Afilio e outras. Elas serão responsáveis pela administração dos Afiliados, bem como pela consolidação de todos os dados gerados. 

Mas esse processo, mais burocrático, é fácil de ser seguido, o maior desafio acontece na gestão dessas ações e como estimular o afiliado a “entrar no jogo” e produzir conteúdo de qualidade e que converta – de fato.

Você tem no marketing de afiliados uma excelente oportunidade de vender e pagar apenas para as ações que geraram resultados reais, mas a equação só irá fechar se o afiliado entender que vale a pena estar junto com você. Para te ajudar nesse relacionamento, preparamos um série de dicas que podem ser adotadas por sua operação de afiliados.

Conteúdo é tudo para marketing de afiliados!

Nos últimos anos o conceito de marketing de conteúdo ganhou força. Segundo a empresa Rock Content, 72% dos profissionais de marketing acreditam que o conteúdo produzido pela marca é mais eficiente que anúncios em revista, por exemplo. Isso mostra a necessidade de se investir em conteúdo. Mas isso nem sempre quer dizer que você deva desenvolver isso dentro de casa – blog e site da marca.

Campanhas de afiliados podem ser uma boa oportunidade para trabalhar a marca e ainda gerar resultados mensuráveis e de forma rápida, mas conforme todas as recomendações de SEO e content, esses materiais precisam ser feito com qualidade por dois motivos principais: Agradar o usuário e Chamar a atenção do Google. Então, alguns cuidados que você precisa se atentar:

  • Monitore o conteúdo produzido pelos parceiros: Não são todos, mas existem blogs que criam estratégias com “Link a qualquer custo”. Esse tipo de material pode incomodar o leitor, que fica propenso a abandonar a página, e gerar o risco do site ser punido pelo Google, o que vai impactar diretamente na sua conversão.
  • Publieditorial: Essa é uma forma de utilizar a linguagem do canal, para falar com um público específico de uma forma que o impacte diretamente. Muito comum, principalmente em redes sociais e youtubers – web celebridades que produzem conteúdos específicos no Youtube. Para exemplificar, vamos pensar em um e-commerce de produtos de beleza como batom e maquiagem. Quais seriam os canais indicados para esses produtos? Certamente aqueles com público feminino e/ou focados em dicas de maquiagem e moda. Você pode solicitar um publieditorial, mas fique atento, pois muitos blogs cobram um determinando um valor para que seja publicado. É possível adotar um outro modelo, onde você encaminha o item a ser anunciado junto com o link de afiliado para o produto. Ao invés de cobrar pelo valor fechado, o blog ou canal recebe uma comissão por cada venda feita pelo link no editorial. Essa lógica também pode ser aplicada a páginas do Facebook e Instagram com grande número de seguidores.
  • Propaganda implícita: Negocie com o canal para que os textos que apresentem seu conteúdo incluam o anúncio no decorrer do post ou matéria, sem deixar claro que se trata de um link de afiliados. Precisa ser natural. Por exemplo, ao falar sobre destinos para curtir na América Latina, inserir seu link como um bom local para fechar pacotes que englobe aqueles destinos e não aquele famoso “Compre aqui”.
  • LinkBuilder: Muitos profissionais – até mesmo aqueles que trabalham com SEO – ainda desconhecem os benefícios do LinkBuilder, que trata-se da ação de conseguir citações em outros sites. Se você não sabe, o Google valoriza sites que são indicados por outros, principalmente se forem de assuntos relacionados, por exemplo, blogs que falam sobre vídeo games indicando sugestões de jogos e empresas que os vendem. Você pode criar uma estratégia de palavras chaves que tenham a ver com seu negócio e elas podem ser incluídas, de forma natural, nos textos dos afiliados. Além de potencializar as vendas por meio da afiliação, ainda ganha um aliado no posicionamento em buscadores.   

Estratégia é fundamental!

Você precisa desenvolver planos junto aos afiliados. Já dissemos no inicio do texto, mas é preciso lembrar: O responsável pelo canal onde seu conteúdo será divulgado, precisa se beneficiar de alguma forma. Comissões baixas para produtos que vendem pouco, talvez não sejam um atrativo para ele, que pode fazer uma única publicação e nunca mais se interessar.

Segmente a ação: Se você optar pela campanha com foco em CPC, corre-se o risco do afiliado agir de má fé, criando mecanismos que otimizem as ações de clique, o que vai impactar diretamente em seu budget. O público direcionado para os anúncio não será qualificado, assim você pagará mais e não terá a conversão esperada. As ferramentas de gerenciamento de afiliados permitem a segmentação dos Afiliados por tipo de produto, assim, eles terão acesso apenas aos links relacionados do segmento no qual atuam. Oferecendo o produto certo para o público certo, a conversão é garantida!

Melhore as comissões com base em resultados: Crie um tabela, levando em consideração o critério da meritocracia. Por exemplo, lojas que geram até 10 vendas mensais, ganham 2% de comissão, até 40 = 7%, acima de 50 = 10%*

*Esses valores são apenas exemplos.

Claro, essa estratégia deve levar em consideração qual a sua margem, o histórico médio do afiliado, quais produtos se adequam etc. A comissão pode aumentar de acordo com o desempenho do parceiro.

Crie uma politica de recompensas: Ofereça bonificações ou itens para quem vender mais – por exemplo, quem gerar mais vendas de smartphones em um ano, ganha um modelo do aparelho em dezembro. As premiações podem ser menores e com “mimos” como cestas, dias em um salão, entradas para cinema e coisas que possam agradar o responsável pelo canal.

Diferencie a conversão total da conversão parcial: Como sabemos, muitas vezes o consumidor poder ser impactado por um canal, não finalizar a compra e depois, por um outro canal, finalizar o pedido. Crie regras de comissionamento proporcional, que levem em consideração essa primeira interação com a marca por meio do link patrocinado. O afiliado vai se sentir valorizado com essa ação.

Estratégia e conteúdo andam juntos!

Seu conteúdo precisa ser muito bom, atrair o cliente e fazer com que ele sinta a necessidade de realizar a compra. Mas isso só será possível se você se planejar e chamar o afiliado para seu time, de uma forma que ele veja valor na parceria. Dessa forma você ganha um canal com investimento mais assertivo e, na mesma medida, o afiliado consegue faturar – dinheiro ou produto –  com essas ações.

Se precisar integrar seu e-commerce aos diversos canais de marketing de afiliados, conte com a Admatic!

Você já faz ações com afiliados? Conte sua experiência!

 

Close