• RJ +55 (21) 3504.7444 - SP +55 (11) 3454.3274
  • [email protected]
Top Menu

 

5 erros que varejistas online cometem no Google Shooping

O Google Shopping tem ajudado muitos lojistas a ganharem visibilidade para seus produtos e serem encontrados na hora que o cliente busca por eles. Por outro lado, muitos varejistas também acabam entrando lá sem dominar alguns macetes importantes e que podem interferir nos resultados que serão obtidos pelo anunciante.

Para obter os melhores resultados ao anunciar no Google Shopping é essencial dominar todos os recursos dessa plataforma como: o funcionamento das campanhas, a exibição do anúncio e a gestão de erros que estejam impedindo a aparição correta do produto e posicionando-o muito mal entre os concorrentes.

A seguir você poderá conferir 5 erros muito comuns, mas que podem ser facilmente resolvidos:

1) Vários anúncios, uma só campanha e orçamento

Um erro comum entre anunciantes do Google Shopping é o de criar múltiplos anúncios para produtos com segmentação diferente, porém não os separar em campanhas distintas.

Assim, os anúncios acabam compartilhando um único orçamento e as estratégias ficam limitadas. Ao invés de investir mais onde recebe maior retorno, por exemplo, o varejista fica preso a regras que deverão funcionar, necessariamente, para todos os produtos cadastrados.

Fora que a campanha única impede a gestão de entender o que está funcionado melhor e o que poderia ser reformulado.

2) Nome do produto muito longo

Simples: a exibição no Google Shopping tem caracteres limitados, portanto não adianta usar o nome do produto como se ele fosse toda a descrição!

O melhor é o varejista tentar ser mais direto e objetivo no nome, e em poucas palavras definir o produto anunciado. Ele pode deixar as informações mais técnicas e aprofundadas para a descrição interna no site.

Os 90 caracteres disponibilizados para o título devem ser o suficiente para contar o principal sobre o produto (para você ter uma ideia da dimensão, o título desse post tem apenas 56 caracteres). Então, se for o caso, opte por cortar o excesso.

3) Falta de otimização de palavras-chave

O Google é o principal buscador da web nos tempos atuais, e uma de suas habilidades foi conseguir trabalhar para que seus robôs apresentassem os melhores resultados para a busca do internauta. Isso foi feito por meio de palavras-chave e saber trabalhá-las é imprescindível.

O que muita gente ignora é quão importante é se atentar ao SEO (otimização para motores de busca) também no Google Shopping. Nomes de produtos que pensem em atender essa necessidade tendem a sair na frente.

Portanto, não deixe de criar estratégias para seus produtos considerando as keywords que atendam as necessidades do seu negócio.

4) Maior volume, maior preço

Anunciar um produto com um nome genérico igual ao do concorrente, porém sendo que seu produto tem um volume, tamanho ou padrão diferente do que ele anunciou é algo que pode gerar uma concorrência desigual (e até prejudicial).

O cliente poderia, à primeira vista, crer que o concorrente tem um melhor preço que o seu para o mesmo produto. No entanto, a foto por si não daria conta de mostrar que seu produto e o do concorrente possuem, por exemplo, um volume diferente.

A impressão do menor preço poderia gerar um equívoco nesse sentido, por isso é importante descrever claramente qual o perfil do produto que você está anunciando. O título ou a imagem devem dar conta dessa informação.

5) Ignorar os “sinais de qualidade dos dados”

O Google Merchant Center, a ferramenta de gestão do Google Shopping, possui um recurso denominado “sinais de qualidade dos dados”. Esse recurso é uma forma de entender alguns problemas que o anúncio possa estar enfrentando.

Problemas com a url de imagens ou com páginas de erro 404, por exemplo, são fatores que podem atrapalhar a exibição do anúncio nas buscas. Uma simples consulta ao Google Merchant Center poderia deixar evidente todos esses problemas.

Nesse sentido, vale mesmo é entrar nesse espaço regularmente e checar em que pé andam as exibições de anúncio e o que deve ser ajustado.

Se ficar bem atento a estes equívocos e corrigi-los, o varejista poderá obter melhor retorno com a exposição de seus anúncios e não se prejudicar perante os concorrentes.

Dica especial para reduzir esses erros comuns

Vale aqui uma dica que vai ajudar a evitar alguns desses erros em suas campanhas no Google Shopping. Utilize um software de gerenciamento de campanhas baseadas em XML. Com essa ferramentas é possível integrar suas campanhas em vários canais, dentre eles o Google Shopping, além de conseguir entender o comportamento de cada uma das campanhas – por períodos específicos – sem ter que recorrer à planilhas antigas, já que empresas como a Admatic (que possui integração direta com o Google Shopping), por exemplo, guardam esses dados em sua base enquanto a conta estiver ativa. Com isso você será capaz de entender comportamentos do seus consumidores e, por exemplo, fazer anúncios com ou sem preço no texto e ver se eles geram mais resultados, principalmente no Google Shopping. Podem ser adotados outros testes como segmentações, dados demográficos ou comportamento do consumidor e essas informações serem cruzadas para que sua conversão seja cada vez melhor.

 Publicado originalmente no Digitalks

 


Close